Não existem mais políticos como antes…

Todos os dias os jornais, revistas, televisões, rádios e redes sociais dão destaque a delações de empresários e políticos acusando uns aos outros de corrupção, lavagem de dinheiro, formações de quadrilhas e mais crimes sobre crimes. E o quadro das investigações da LAVA JATO, o que é escândalo hoje e nos choca, no amanhã cedo do dia seguinte tem outro escândalo maior e mais chocante, mais fenomenal do que o de ontem.

Se todos achavam que as delações de Marcelo Odebrecht seriam de fato as delações do fim do mundo, se enganou redondamente. Diante das gravações e delações do megaempresário Joesley Batista, as delações dos empresários da Odebrecht, gravíssimas, começam a parecer café pequeno.

Batista jogou o governo frágil e vacilante de Michel Temer, no caldeirão das delações em conversas sigilosas no Palácio Jaburu, onde o atual presidente foi gravado pelo o dono da JBS. Como os fatos já estavam complicados para Temer, que agora enfrentará o julgamento da chapa Dilma e Temer no STE em um cenário de pânico e inteiramente desfavorável para ambos.

Contudo, se está ruim para Temer e Dilma, já cassada e alijada de seu cargo na presidência da república no impeachment recente do congresso. Nas delações de Joesley Batista ele atingiu o fígado do ex-governador Aécio Neves, do PSDB, atual senador afastado de seu cargo no senado pelo ministro Fachin do STF, por atrapalhar as investigações da PF na Lava Jato. Mas quem pagou o pato e foi presa de imediato foi a sua irmã Andreia Neves, sua assessora e braço direito, recolhida em prisão em Belo Horizonte, por ordem da justiça federal.

As delações estarrecedoras pegaram uma multidão de figurões e capa pretas do cenário brasileiro político do país, tanto as delações do fim do mundo via Odebrechet, quanto as de Joesley Batista da JBS. E agora Marcos Valério passa a denunciar tardiamente o ex-presidente Lula, de envolvimento no caso da morte do prefeito Celso Daniel, em Santo André, anos atrás. Enfim, as delações premiadas prometem muito mais escândalos vergonhosos para amanhã, depois de amanhã, até que o Brasil e seu povo se livrem dessa safra de políticos safados, oportunistas e egoístas.

Com seus furtos e roubos de nossas empresas estatais, atrasaram covardemente o progresso do país e o avanço da cidadania que nesses 15 anos, regrediram violentamente. Temer, agora é investigado pela a Polícia Federal e apertado por essa e a Justiça Federal, anuncia o seu fim vergonhosamente, pois, está tendo que responder em uma primeira rodada 84 perguntas de seu sigiloso encontro com o executivo da JBS, Joesley Batista, em certa noite em Brasília onde ele, Temer, decretou o fim de sua gestão e a pouca confiança que lhe restava.

Difícil a reversão desse quadro nos faz lembrar da profecia do ex-presidente Ernesto Geisel no governo dos militares quando disse sobre desses políticos que aí estão: “Muitos desses políticos que aí estão a exigir a abertura, são oportunistas e o que virá no futuro ira decepcionar a nação pois, são egoístas, egocêntricos e exclusivistas e nada mais além disso. Irão aparelhar o estado brasileiro para acumularem benefícios para si próprios. Geisel acertou…!

Com essa safra de ordinários, encastelados em todos os partidos, só cadeia e bola de ferro presas aos pés dariam um jeito…!

geisel

Deixe seu comentário

Assinatura

Publicidade

Enquete

Gostando do site?

View Results

Loading ... Loading ...

Sobre nós:

Editora Jornal Cidades LTDA/ME é uma micro empresa que edita o Jornal Cidades (JC) há 15 anos no mercado. O Cidades é um jornal periódico decenário com ampla circulação nas cidades de Belo Horizonte, Betim, Contagem ( circulação restrita ainda) Igarapé, São Joaquim de Bicas, Jaboticatubas e São José do Almeida, todas na RMBH. Possuí equipe de reportagem, colunistas sociais, e colunismo político. Professa quando se faz necessário jornalismo investigativo e tem como pilar mestre defesa do meio ambiente, da vida, da fauna e flora. Seu fundador é o Diretor Marco Tulio Chiabi C. e Silva e o atual presidente do Jornal Cidades é Leonardo Chiabi.